NORMAS E CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÃO DO ARTESÃO CAPIXABA EM ÁREAS COMPARTILHADAS POR TIPOLOGIA E DA FEARTES – ASSOCIAÇÕES DE ARTESÃOS DO ESPIRITO SANTO

 

1- CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÃO;

  • O Artesão deverá estar cadastrado e possuir a carteira de artesão do SICAB – Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro, dentro da validade;
  • Não expor trabalhos de pintura sobre tela em conformidade ao exposto na Instrução Normativa do Programa do Artesanato publicada no DIO/ES em 20/08/2010,  artigo 5 da página 11.
  • Não expor produtos industrializados;
  • Inserir 02 fotografias dos produtos a serem expostos na ArteSanto (anexar ficha Pre Inscrição)
  • Somente expor produtos que se enquadrem nas classificações abaixo:

 

2- CLASSIFICAÇÃO DOS PRODUTOS;

  • Arte Popular
  • Artesanato Tradicional
  • Artesanato Contemporâneo/Conceitual
  • Trabalho Manual
  • Artesanato Indígena
  • Artesanato de Reciclagem
  • Artesanato de Referência Cultural

2.1. Arte Popular: Peças que representam a cultura do local a partir da visão de mundo do autor. São em geral peças únicas ou com produção reduzida e muitas vezes, utilizada como referência ou inspiração para outras produções. Ex.: casacas.

2.2. Artesanato Tradicional: Peças que representam os modos de fazer e histórias do local, transmitidos de geração em geração. A produção pode ser partilhada por uma família ou vizinhança, alcançando maiores tiragens. As peças são feitas manualmente ou com a utilização de maquinário que não supera a habilidade manual. As matérias-primas são geralmente de origem local. Ex.: rendas, cerâmica, talhas, cestaria.

2.3. Artesanato Contemporâneo/Conceitual: Objetos produzidos por pessoas com alguma formação artística e geralmente ligado a centros urbanos, resultante de um projeto deliberado de afirmação de um estilo de vida ou afinidade cultural. A inovação é o elemento principal que distingue este artesanato das demais classificações. Nesta classificação existe uma afirmação sobre estilos de vida e valores.

2.4. Trabalhos Manuais: Peças cuja produção exige destreza e habilidade, ainda que sejam utilizados moldes e padrões prédefinidos. A matéria-prima geralmente é industrializada, podendo passar ou não por um processo de transformação. Ex.: bordados, customizações.

2.5. Artesanato Indígena: Entendido como o resultado do trabalho de uma comunidade indígena, onde se identifica o valor de uso, a relação social desta comunidade. É em sua maioria, resultante de uma produção coletiva, incorporada ao cotidiano de vida tribal. Ex.: Colares, cocar.  

2.6. Artesanato de Reciclagem: É o resultado dos trabalhos produzidos a partir da utilização de matéria-prima que é reaproveitada. A produção do artesanato de reciclagem contribui para a diminuição da extração de recursos naturais, além de desenvolver a conscientização dos cidadãos a respeito de materiais que se destinariam ao lixo.

2.7. Artesanato de Referência Cultural: Produção artesanal decorrente do resgate ou da releitura de elementos culturais tradicionais nacionais ou estrangeiro assimilados, podendo se dar por meio da utilização da iconografia (símbolos e imagens) e/ou pelo emprego de técnicas tradicionais de artesanato que, somadas a inovações tecnológicas, dinamizam a produção sem, contudo, descaracterizar as referencias culturais locais.

 

3- PONTUAÇÃO DAS PEÇAS

  • Referência à cultura popular – inspiração nos elementos da cultura local, com utilização de técnicas e materiais da região. Peso 2
  • Consciência Ambiental – Utilização de material reciclado e de reaproveitamento de resíduos ou de outras formas de valorização do modo de vida sustentável. Peso 2
  • Qualidade estética do produto e acabamento da peça. Peso 2
  • Inovação – Melhorias ou novos usos da matéria-prima e/ou do processo produtivo, da forma ou da funcionalidade que expressem a identidade local. Peso 1
  • Complexidade de execução – Número de etapas e nível de dificuldade para a produção da peça. Peso 1
  • Apresentação– Disponibilidade de material de suporte à venda do produto, como: uso de rótulo embalagem, etiqueta, tag, cartões de visita, folder, entre outros. Peso 1
  • Potencialidade de comercialização – Relação entre valor e qualidade da peça, compatível com as expectativas e o poder de compra do público-alvo do produto. Peso 1

 

4- CONSIDERAÇÕES GERAIS

  • Poderá a organização do evento e seus colaboradores alterar estas normas e critérios sem aviso prévio.
  • Não será permitida a participação do mesmo Artesão em mais de uma tipologia
  • Ler e fazer cumprir, total e plenamente, o Manual do Expositor, disponível neste site.
  • O Artesão Compartilhado terá o espaço DIVIDIDO com outros artesãos da mesma tipologia e deverá cada um se limitar a área definida pela coordenação do evento.
  • Em nenhuma hipótese o Artesão Compartilhado deverá trocar, ultrapassar ou apossar-se de outra área se não aquela definida pela coordenação da ArteSanto.
  • Caso o produto do artesão não se enquadre nas Normas e Critérios aqui especificadas, deverá o mesmo ser retirado imediatamente do evento sem que haja quaisquer ônus à Organização/Realização e seus correligionários.
  • O preenchimento da Ficha de Pre Inscrição não garante ao artesão expor o produto inscrito.
  • Após o preenchimento da Ficha de Pre inscrição, o produto inscrito será analisado pela curadoria do Evento para aprovação.
  • A data limite para a pre inscrição dos produtos será 20/OUT/2017
  • A resposta da aprovação ou não do produto inscrito se dará ate 31/OUT/2017, através do site artesanto.com.br em LISTA DE APROVADOS, ou pelo telefone (27) 4141.4058.

Atualizado Agosto/17