NORMAS E CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÃO DO ARTESÃO CAPIXABA EM ÁREAS COMPARTILHADAS POR TIPOLOGIA E DA FEARTES – ASSOCIAÇÕES DE ARTESÃOS DO ESPIRITO SANTO

 

1- CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÃO;

  • O Artesão deverá estar cadastrado e possuir a carteira de artesão do SICAB – Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro, dentro da validade;
  • Não expor trabalhos de pintura sobre tela em conformidade ao exposto na Instrução Normativa do Programa do Artesanato publicada no DIO/ES em 20/08/2010,  artigo 5 da página 11.
  • Não expor produtos industrializados;
  • Inserir 02 fotografias dos produtos a serem expostos na ArteSanto (anexar ficha Pre Inscrição)
  • Somente expor produtos que se enquadrem nas classificações abaixo:

 

2- CLASSIFICAÇÃO DOS PRODUTOS;

  • Arte Popular
  • Artesanato Tradicional
  • Artesanato Contemporâneo/Conceitual
  • Trabalho Manual
  • Artesanato Indígena
  • Artesanato de Reciclagem
  • Artesanato de Referência Cultural

2.1. Arte Popular: Peças que representam a cultura do local a partir da visão de mundo do autor. São em geral peças únicas ou com produção reduzida e muitas vezes, utilizada como referência ou inspiração para outras produções. Ex.: casacas.

2.2. Artesanato Tradicional: Peças que representam os modos de fazer e histórias do local, transmitidos de geração em geração. A produção pode ser partilhada por uma família ou vizinhança, alcançando maiores tiragens. As peças são feitas manualmente ou com a utilização de maquinário que não supera a habilidade manual. As matérias-primas são geralmente de origem local. Ex.: rendas, cerâmica, talhas, cestaria.

2.3. Artesanato Contemporâneo/Conceitual: Objetos produzidos por pessoas com alguma formação artística e geralmente ligado a centros urbanos, resultante de um projeto deliberado de afirmação de um estilo de vida ou afinidade cultural. A inovação é o elemento principal que distingue este artesanato das demais classificações. Nesta classificação existe uma afirmação sobre estilos de vida e valores.

2.4. Trabalhos Manuais: Peças cuja produção exige destreza e habilidade, ainda que sejam utilizados moldes e padrões prédefinidos. A matéria-prima geralmente é industrializada, podendo passar ou não por um processo de transformação. Ex.: bordados, customizações.

2.5. Artesanato Indígena: Entendido como o resultado do trabalho de uma comunidade indígena, onde se identifica o valor de uso, a relação social desta comunidade. É em sua maioria, resultante de uma produção coletiva, incorporada ao cotidiano de vida tribal. Ex.: Colares, cocar.  

2.6. Artesanato de Reciclagem: É o resultado dos trabalhos produzidos a partir da utilização de matéria-prima que é reaproveitada. A produção do artesanato de reciclagem contribui para a diminuição da extração de recursos naturais, além de desenvolver a conscientização dos cidadãos a respeito de materiais que se destinariam ao lixo.

2.7. Artesanato de Referência Cultural: Produção artesanal decorrente do resgate ou da releitura de elementos culturais tradicionais nacionais ou estrangeiro assimilados, podendo se dar por meio da utilização da iconografia (símbolos e imagens) e/ou pelo emprego de técnicas tradicionais de artesanato que, somadas a inovações tecnológicas, dinamizam a produção sem, contudo, descaracterizar as referencias culturais locais.

 

3- PONTUAÇÃO DAS PEÇAS

  • Referência à cultura popular – inspiração nos elementos da cultura local, com utilização de técnicas e materiais da região. Peso 2
  • Consciência Ambiental – Utilização de material reciclado e de reaproveitamento de resíduos ou de outras formas de valorização do modo de vida sustentável. Peso 2
  • Qualidade estética do produto e acabamento da peça. Peso 2
  • Inovação – Melhorias ou novos usos da matéria-prima e/ou do processo produtivo, da forma ou da funcionalidade que expressem a identidade local. Peso 1
  • Complexidade de execução – Número de etapas e nível de dificuldade para a produção da peça. Peso 1
  • Apresentação– Disponibilidade de material de suporte à venda do produto, como: uso de rótulo embalagem, etiqueta, tag, cartões de visita, folder, entre outros. Peso 1
  • Potencialidade de comercialização – Relação entre valor e qualidade da peça, compatível com as expectativas e o poder de compra do público-alvo do produto. Peso 1

 

4- CONSIDERAÇÕES GERAIS

  • Poderá a organização do evento e seus colaboradores alterar estas normas e critérios sem aviso prévio.
  • Não será permitida a participação do mesmo Artesão em mais de uma tipologia
  • Ler e fazer cumprir, total e plenamente, o Manual do Expositor, disponível neste site.
  • O Artesão Compartilhado terá o espaço DIVIDIDO com outros artesãos da mesma tipologia e deverá cada um se limitar a área definida pela coordenação do evento.
  • Em nenhuma hipótese o Artesão Compartilhado deverá trocar, ultrapassar ou apossar-se de outra área se não aquela definida pela coordenação da ArteSanto.
  • Caso o produto do artesão não se enquadre nas Normas e Critérios aqui especificadas, deverá o mesmo ser retirado imediatamente do evento sem que haja quaisquer ônus à Organização/Realização e seus correligionários.
  • O preenchimento da Ficha de Pre Inscrição não garante ao artesão expor o produto inscrito.
  • Após o preenchimento da Ficha de Pre inscrição, o produto inscrito será analisado pela curadoria do Evento para aprovação.
  • A data limite para a pre inscrição dos produtos será 20 dias antes da abertura do evento.
  • A resposta da aprovação ou não do produto inscrito se dará 05 dias antes da abertura do evento, através do site artesanto.com.br em LISTA DE APROVADOS, ou pelo telefone (27) 4141.4058.

Atualizado Outubro/17